DestaqueGeralNotícias

Captura ativa de escorpiões bate recorde no Cemitério Municipal

Capturas são realizadas no período noturno, quando os escorpiões estão mais ativos

Secom Prefeitura

ANDRADINA – O Campo Santo São Sebastião de Andradina foi cenário de mais uma captura ativa de escorpiões na cidade.

Essas capturas são realizadas no período noturno, quando os escorpiões estão mais ativos tornando-se um alvo localizável graças a utilização de lâmpadas fluorescentes que tornam o inseto visível.

A captura noturna desses insetos pela Secretaria de Saúde, através Unidade de Controle de Endemias foi adotada para reduzir o número de indivíduos durante o período de reprodução da espécie, quando acidentes envolvendo escorpiões são mais comuns.

Uma equipe coordenada por Alessandra Rodrigues Brito, realizou uma captura noturna no cemitério onde, em três horas de trabalho foram localizados e capturados 578 exemplares.

O que assusta é que apenas um quarto da área do cemitério foi vistoriada.

Segundo a equipe, durante o dia, os escorpiões procuram proteção contra o sol nas frestas e interior dos túmulos só saindo a noite para se alimentar.

Até o momento foram capturados um total de 1012 exemplares em 06 noites de trabalho, correspondendo a 18 horas de trabalho noturno.

O segundo bairro em número de capturas foi o Alto dos Ipês (próxima a área de reserva), onde foram capturados 378 escorpiões. Em uma quadra do Otávio Minholi foram encontrados 29 exemplares e em uma quadra no Jardim Brasil foram encontrados 27 exemplares.

As capturas são da espécie Tityus Serrulatus (escorpião amarelo). A espécie é a maior causadora dos acidentes graves no Estado de São Paulo.

Apesar da captura ser uma ofensiva válida, o manejo ambiental, ou seja, tornar o ambiente impróprio para o alojamento e proliferação destes animais, ainda é a maneira mais eficaz de combater os escorpiões.

“Eles podem se abrigar em frestas, embaixo de caixas, material de construção, madeiras, entre outros. É importante manter as caixas de inspeção bem vedadas, pois estes locais são comuns para a sua principal fonte de alimento, as baratas”, disse Alessandra.

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo