DestaqueNotícias

Asfalto recém entregue no Santa Cecilia é “rasgado” pela Águas de Andradina

Durou pouco a felicidade dos moradores do Bairro Santa Cecilia. O asfalto do cruzamento da Rua Vicente Char com Rua São Paulo, foi literalmente rasgado na semana passada pela Concessionaria Aguas de Andradina, a obra para ligação de agua e esgoto em uma residência em construção naquele local, teve umas extensão de aproximadamente 100 metros pela Rua Sao Paulo e cruzou toda a Rua Vicente Char.

Foto: Rodolpho Shinkado/Correio do Noroeste

A Rua Vicente Char é utilizada pelos moradores do Santa Cecilia e também do Residencial Quinta das Castanheiras para acessarem suas residências, e além de terem o asfalto recém realizado “retalhado” ainda são obrigados a conviver com a terra e a valeta que foi deixada na obra não acabada.

Segundo alguns moradores ouvidos pela reportagem, o que mais os deixa revoltados é ver o asfalto que tanto esperaram ser agora rasgado e deixando a rua exposta na terra, e também comentaram a respeito da qualidade das obras da Aguas de Andradina, que alem de interditarem a extensão da rua, não a finalizaram deixando a terra por toda a via publica.

Foto: Rodolpho Shinkado/Correio do NoroesteO que causa maior espanto é a total falta de organização e planejamento por parte da Prefeitura Municipal e da Aguas de Andradina, pois antes de se realizar o asfaltamento da via poderiam se comunicar e realizar a ligação dos ramais, assim evitando o corte do asfalto.

Esteve no local também a pedido dos moradores o Vereador Sergio Santaela, que se dispôs prontamente a solicitar o reparo imediato por conta da Aguas Andradina prometeu lutar para que esse tipo de obra não cause mais transtornos a população e que o dinheiro publico não seja gasto desta maneira.

Esse tipo de obra tem sido alvo de criticas na cidade toda, pois basta uma rua ser asfaltada para que uma ligação seja pedida e o asfalto recém colocado seja rasgado, causando alem de dano, o material também colocado no local pela concessionaria gera duvidas quanto a qualidade, sem contar no desperdício do dinheiro publico empregado na obra.

 

Artigos relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Botão Voltar ao topo